A importância da “Floresta que não é mais” – Aquecimento Global!

 em Notícias, Sustentabilidade

Um grupo internacional de pesquisadores integrado por alguns brasileiros e denominado como Consórcio SecondFor (contração em inglês de “Amantes da Floresta Secundária”), vêm se dedicando a entender o papel das áreas regeneradas para a biodiversidade e o ciclo de carbono e por tabela, para o clima.

Floresta Secundária é o nome técnico que se dá a floresta em regeneração, ou seja, o floresta que está se restituindo de maneira natural e/ou assistida após a realização do seu desmatamento. No Brasil comumente nos referimos a estas áreas, dentre dezenas de outros nomes, como “capoeira” palavra esta que vem do tupi e significa literalmente, “mato que não é mais”.

O grupo de pesquisadores produziu o primeiro mapa das matas em regeneração na América Latina e calculou seu potencial de sequestro de carbono. Os números são impressionantes.

As florestas tropicais em diversos estágios de regeneração que estendem-se do México ao Paraguai cobrem uma área de aproximadamente 2,4 milhões de Km², área esta superior ao território da Argentina. Se estas áreas fossem mantidas por 40 anos livres dos tratores e das motosserras, sequestrariam da atmosfera aproximadamente 31 bilhões de toneladas de gás carbônico, ou seja, o equivalente a toda a emissão de gás carbônico da América Latina entre 1993 e 2014.

MAPA

O consórcio integrou tanto dados coletados pelos pesquisadores em campo quanto resultados de análises anteriores, e produziu um mapa mostrando em que regiões as capoeiras absorvem mais carbono e onde absorvem menos. O mapa poderá ser usado pelos formuladores de políticas públicas para priorizar a conservação em florestas de baixa resiliência e incentivar a regeneração em regiões de crescimento rápido da capoeira.

A importância da Floresta que não é mais - Aquecimento Global

Imagem mostra velocidade de regeneração, medida em biomassa acumulada em 20 anos.
Quanto maior o círculo preto, maior a taxa de crescimento da floresta.

Fonte: Observatório do clima

img-entre-contato

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

5 bons motivos para sua empresa implantar um PGRS - Blog LM AmbientalAvaliação Passivo Ambiental